Polícia

VÍDEO – PETISTA AMEAÇA DE MORTE – Membros da Associação Docentes Pela Liberdade escrevem Carta Aberta em apoio à vida e à liberdade de expressão

 

 Membros da Associação Docentes Pela Liberdade escreveram neste sábado (17) uma Carta Aberta em apoio à vida e à liberdade de expressão, contrapondo ameaças de morte sofridas por seus diretores nestas últimas três semanas.

Geralmente é assim a esquerda no Brasil e no mundo, não pensa igual: é racista, machista, preconceituoso, branco, nata da sociedade, rico,  misógeno, hetero,  fascista, nazista e tudo o quanto “ista”. “Chame-os daquilos de que nós somos”.

 A maioria não sabem lidar com o pensar diferente, ao que parece. Em grupos de wats app, por exemplo, você é excluído quando não posta matéria de pensamento diferente do administrador. Radar Geral tem cinco grupos nesse aplicativos, neles você posta o que quiser, menos pornografia e venda de ilícitos. É livre o pensar. E os líderes da esquerda, geralmente,  falam em pobreza, pobreza, pobreza, pobreza,pobreza, são os defensores dos pobres ….. mas vivem na riqueza, do bom e do melhor, com nossos  suados impostos. E o resto, fome e miséria, conforme comprova a história. Mas sabemos que os xingamentos como nazista e fascista, por exemplo,  o que está por trás disso são os milhares de empregos em jogo e perdidos em  ministérios e órgãos federais, nos milhares de reais que já não chegam (Pelo menos acreditamos)  para ONGs, movimentos, sindicatos, federações, uniões, confederações e etc como antes. Era uma festa.

Conforme o site Conexão Política informou anteriormente, o presidente da associação conservadora ‘Docentes Pela Liberdade’, Marcelo Hermes-Lima, foi ameaçado de morte por um militante petista em mensagens no Twitter. O militante, que se apresenta na rede social com o nome “Antonio Barbosa”, também ameaçou outros membros da diretoria da associação.

A Associação Docentes Pela Liberdade (DPL) reúne professores de todo o país em torno de pautas conservadoras, em defesa da liberdade de pensamento, especialmente dentro das universidades.

As ameaças publicadas em várias mensagens na rede social contêm promessas de ataques físicos de atentados de extermínio ou homicídios pelo simples fato do militante discordar da opinião política e científica desses professores membros do DPL.

Os diretores do DPL registraram uma ocorrência policial na Polícia Civil do Distrito Federal na quinta-feira (15) e também fizeram uma denúncia no MPF (Ministério Público Federal) e no MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e dos Territórios). A queixa será encaminhada pela Polícia Civil do DF para o Departamento de Crimes Cibernéticos, que iniciará uma investigação.

Confira, a seguir, a íntegra da Carta Aberta escrita por membros do DPL:

Carta aberta em apoio à Vida e à Liberdade

 Recentemente ganharam destaque na mídia as ameaças de morte contra os Diretores da Associação Docentes pela Liberdade (DPL), sendo mencionados explicitamente os nomes do Professor Marcelo Hermes (Presidente), Professor Ebnézer Maurílio Nogueira da Silva (Vice-presidente), Professor Laércio Fidelis Dias (Diretor Secretário Geral) e Professor Peterson Dayan (Diretor de Finanças). Tais ameaças, gravíssimas, foram feitas por um perfil declaradamente de esquerda do Twitter, com codinome “Antonio Barbosa”, o qual alega ser parte de um movimento chamado “professoras e professores antifascistas”, que enaltece figuras como Che Guevara, Lula e Boulos.

Com efeito, não foram apenas ameaças de morte, mas também a convocação para que outros “ANTIFAS” se unam ao plano criminoso homicida: “aqui em Brasília tem um grupo de professores bolsominions que precisa ser destruído (…) começando pelo presidente Marcelo Hermes e diretor financeiro Peterson Dayan (…). Esses dois precisam ser aniquilados. Sei onde eles moram, vamos planejar”. Tal postagem, datada de 12 de outubro de 2020, expressa o intento do referido perfil.

Lamentavelmente, essas ameaças não são nem recentes, nem incomuns. Desde dentro de nossas instituições de ensino têm surgido, por anos, ameaças, assédio, perseguições, etc, a todo Professor que não esteja alinhado com a ideologia esquerdista, dita progressista, a qual vige nos ambientes que deveriam estar voltados para a excelência educacional e para o pluralismo de ideias.

Nesse sentido, o DPL é, hoje, não apenas o maior grupo conservador da América Latina, mas também a maior associação brasileira a agregar Professores das mais diversas áreas, que possui um trabalho acadêmico científico e cultural para recuperar a qualidade da educação no Brasil, com a efetivação da liberdade acadêmica e, consequentemente, da diversidade de ideias e de sua inclusão no debate científico.

Não obstante, na mesma medida em que o DPL avança na busca pela liberdade, avançam também as ameaças, as quais vão desde as tentativas de assassinatos de reputações até as ameaças de assassinatos de Professores.

Assim, como defensores da liberdade, da diversidade de ideias, bem como da moralidade e do império da lei, subscrevemos, em apoio à vida e à liberdade, a presente nota de repúdio às ameaças feitas aos membros do DPL e, consequentemente, a todo professor considerado “conservador”, uma vez que essas ameaças não se restringem a eles: o que tais autoproclamados “ANTIFAS” pretendem eliminar é a liberdade, bem como todos aqueles que a defendem.

Adriana Paiva Camargo
Adriano de Oliveira Barros
Afonso Lodovico Sinkoc
Ailton Barbosa
Alberto Esteves Gemal
Alexandre Paulo Machado
Alexandre Pierezan
Aline Ferrão Custódio Passini
Aline Loretto Garcia
Allison Coelho Lobato
Ana Lúcia Carvalho e Araújo
Ana Paula Cherobim
Antônio César Bozzi
Antonio Gaziero
Bento João da Graça Azevedo Abreu
Bianca de Barros Camargo Marrazzo
Bruno Leandro Maranhão Diniz
Carla Pinto de Andrade
Carlos Adriano Ferraz
Carlos de Paula Portela
Carlos Eduardo Corrêa Molina
Carlos Henrique Oliva
Cecília Moraes
Celso Alexandre Domene
Clayton Lima Melo
Claudemiro Batista de Oliveira
Clelma dos Santos Pinheiro
Dario Santuchi
Denise Dagnino
Donato Aranda
Edivan Mota
Eduardo Augusto Ferreira Vieira
Eduardo Zinader
Ellen de Souza Marques
Érika Danielle Gomes de Sena
Fernanda Lira
Frederico Fonseca da Silva
Gabriel Giannattasio
Graciana Guerra David
Hélcia Daniel da Silva
Henrique Vilela de Souza
Isaias Lobão Pereira Junior
Isis Machado de Oliveira
Jane Ramos de Castro
Jaqueline Feitoza
João Vidal de Negreiros Neto
Jorge Alexandre Ribeiro
Jorge Tomioka
José Henrique Carvalho Organista
José Roberto Gomes Rodrigues
Juliana Trindaee Clemente Nopimoga
Leonardo Guimarães
Livia Elisabeth Vasconcelos de Siqueira Brandão Vaz
Luciano Pereira Rodrigues
Marcelo dos Santos Machado
Marcelo Fernandes Pereira
Marcelo Henrique Nopimoga
Marcelo Macedo
Marcelo Vardanega
Márcio Marques
Marcos Antonio Oliari
Marcos N. Eberlin
Marcos Rubo
Marcus Vinicius Carvalho Guelpeli
Maria Célia Delduque
Maria da Graça de Moraes Bittencourt Campagnolo
Mria Karolina Neves Ferreira
Marilene de Oliveira Nunes
Martinho Dinoá
Ney Rômulo de Oliveira Paula
Nivia Lanznaster
Osvaldemir Gonçalo Rodrigues
Paulo César Rodrigues
Pedro Caldeira
Pedro Lucena
Raimundo Márcio Ribeiro Lima
Raissa Soares
Ricardo de Vargas Kilca
Rodrigo de Lamare
Rodrigo Fleury Brandão
Rogério Panhoca
Ronaldo Viveiros de Sousa
Samuel Almeida Silva
Silvia H. Koller
Thell Almeida
Thiago da Silva Trindade
Thiago Ferreira da Silva Ribeiro
Wander Dias Baracho
Werner Okano

Nota da redação: o vídeo abaixo não tem relação com a acusação, mas tem tudo a  haver com o conteúdo da matéria. Vídeo: Redes sociais. Com informações e foto de capa de Conexão Política. Pautado na Liberdade de Expressão e Carta de Costa Rica. Reflexão: se uma mulher pode se declarar “Feminista”, então, porque, nós homens, não podemos nos declarar “Machista”?. Tem algo errado aí: Ditadura da Agenda feminista. Vamos dar um basta nisso. Vídeo após o anúncio:

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *