SAÚDE

MISERICÓRDIA – “Os próximos quatro a seis meses podem ser os piores da pandemia”, afirma Bill Gates; o que se vê é máscaras no queixo, pessoas sem máscaras ou tapando só a boca, visita de parentes ou ida a parentes

 O fundador da Microsoft instou a população a seguir medidas sanitárias para evitar mais 200 mil mortes adicionais, pelo menos, até que a vacina possa ser amplamente distribuída. Nos últimos dias, o número de COVID-19 nos EUA disparou , quebrando recordes históricos.

Em 11 de dezembro, ocorreu o maior número de novos casos desde o início da pandemia, com um total de 247.737 infecções em 24 horas. No mesmo dia, também foi atingido o maior número de óbitos diários, com 3.261 óbitos. E embora os números sejam alarmantes e preocupantes, o pior pode ainda não ter passado.

Em entrevista à CNN , o fundador da Microsoft, Bill Gates, falou sobre a situação que os Estados Unidos estão passando e alertou que nos próximos meses o país poderá enfrentar a fase mais letal da pandemia, pelo menos, até que as vacinas possam ser amplamente distribuídas entre a população. (Continua).

 

Além disso, o magnata explicou que, ao fazer previsões em 2015 sobre as consequências globais que uma pandemia poderia causar, fez os cálculos pensando que o desempenho dos EUA seria melhor do que tem mostrado até agora.

“Achei que os EUA fariam um trabalho melhor com isso. Em geral, quando fiz as previsões em 2015, disse que as mortes poderiam ser maiores. Portanto, este vírus pode ser mais letal do que é. Não estamos no pior dos casos. Mas o que me surpreendeu é que o impacto econômico nos EUA e no mundo tem sido muito maior do que as previsões que fiz cinco anos atrás “ , disse ele.

Durante a entrevista, Bill Gates também falou sobre a ordem executiva que o presidente Donald Trump assinou para “dar prioridade aos americanos” na administração das vacinas Covid-19 , e disse que considera a estratégia um “erro”, já que a melhor forma de superar a pandemia é apostar na “cooperação internacional”.

“Queremos que a economia mundial continue funcionando, queremos minimizar as mortes e a tecnologia básica é de uma empresa alemã. Portanto, bloquear o intercâmbio e a cooperação internacional tem sido prejudicial e um erro durante a pandemia ”, disse ele . “Os Estados Unidos se beneficiaram com o trabalho de saúde de outros países e não devemos ser totalmente egoístas na maneira como avançamos.”

“Afinal, essa epidemia foi terrível na forma como exacerbou as desigualdades. Tem sido pior para os hispânicos, pior para os afro-americanos, pior para trabalhadores de serviços de baixa renda, famílias multigeracionais … Uma série de coisas significa que, em termos de escolha de quem vai tomar a vacina, é melhor usarmos equidade para conduzir todas essas decisões “, disse ele.

“Mas o novo governo está disposto a confiar em especialistas reais e não atacar esses especialistas. Eles estão fazendo planos claros. Então, acho que vamos superar isso de uma forma positiva. Estou satisfeito com as pessoas e com a prioridade que o presidente eleito Biden e sua equipe estão trazendo para esta questão. “Ele acrescentou: “Biden está fazendo tudo o que pode para reter Francis Collins e Tony Fauci e adicioná-los a esse forte grupo de pessoas. São pessoas dispostas a admitir quando as coisas não vão bem e a transmitir mensagens difíceis, especialmente nos próximos quatro a seis meses . Portanto, os EUA não serão um dos piores jogadores quando a equipe assumir. “

Embora acredite que a mudança de governo será favorável na hora de definir uma estratégia clara para os próximos meses, ele insistiu que os americanos também terão que assumir suas responsabilidades e dar o seu melhor.

Por fim, o magnata anunciou que será vacinado publicamente , como ex-presidentes como Bill Clinton, George Bush ou Barack Obama.

“Eu vou fazer o mesmo. Quando chegar a minha vez, vou deixar que vejam como me vacino, porque acho que é um benefício para todas as pessoas não transmitir [COVID-19] ”, revelou. Fonte: Infobae. Fotos: Reprodução.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *