Geral

VÍDEOS FORTES – 3.000 presos e dezenas de feridos após graves protestos na Bielo-Rússia; protestos no Líbano e gabiente renuncia; você está preparado pelo que parece que estar por vir? Já observou comportamento de pássaros, insetos e peixes nos últimos meses? Já se questionou porque milionários e autoridades estão indo para bunkers? Só perguntamos !

 Segue após anúncios. Veja anúncio da Fundação Renova, tem novidades para você.

 As forças de segurança vão derrotá-los e usar gás lacrimogêneo e granadas sonoras para dispersar a mobilização.

   Milhares saíram às ruas de Misk para denunciar fraude nas eleições deste domingo, apesar da grande operação policial.

 

Cerca de 3.000 manifestantes antigovernamentais foram detidos e dezenas de pessoas feridas na Bielorrússia na noite de domingo para segunda-feira após a eleição presidencial, disse o Ministério do Interior, negando qualquer morte.

“No total, em todo o país, cerca de 3.000 pessoas foram presas (…). Durante os incidentes, mais de 50 cidadãos e 39 policiais ficaram feridos, alguns deles hospitalizados “ , declarou o ministério em um comunicado, relatando” manifestações noturnas não autorizadas em 33 cidades e vilas do país. (Continua).

 

 

 

De acordo com a ONG de direitos humanos Vesná, uma pessoa foi morta por uma viatura policial, um extremo que não foi confirmado por outras fontes, e mais de 120 manifestantes foram presos.

A presidente da Comissão Eleitoral revelou que devido aos incidentes ocorridos no centro de Minsk teve de ser evacuada esta manhã da Casa do Governo, onde se encontra a autoridade eleitoral.

A polícia usou gás lacrimogêneo e granadas de choque para dispersar os manifestantes, segundo a agência de notícias oficial russa Sputnik . Além disso, houve vários protestos em frente às embaixadas da Bielorrússia na Rússia, Ucrânia e Polônia , segundo o que foi registrado pelos respectivos correspondentes da mesma agência. (Continua).

 

 

As prisões ocorreram principalmente em Minsk, informou o portal Tut.by , um dos principais meios de comunicação independentes da Bielo-Rússia, que ficou indisponível logo após reportar as primeiras reações após o fechamento das assembleias de voto. O canal Belsat noticiou confrontos entre manifestantes e membros das forças de segurança na Avenida de la Independencia, na capital.

Os detidos nos incidentes podem ser condenados a entre 8 e 15 anos de prisão , alertou hoje o diretor do Comitê de Investigação da Bielo-Rússia, Ivan Noskevich, já que foram abertos processos criminais por desordem em massa e violência contra policiais. (Continua).

 

 

Pouco antes do anúncio dos resultados, a Polícia reforçou a sua presença nas ruas de Minsk. A oposição, por sua vez, denunciou o bloqueio da internet durante o dia das eleições para impedir uma mobilização popular e paralelamente o escrutínio do voto.

No entanto, vídeos filmados por testemunhas e divulgados pelos meios de comunicação Nacha Niva e Nexta das massivas mobilizações contra Lukashenko circularam nas redes sociais , o que resultou em fortes confrontos dos manifestantes com as forças de segurança.

 

Lukashenko, último ditador da Europa

 

Lukashenko venceu com 80,23% dos votos nas eleições presidenciais deste domingo, ante 9,9% que sua principal rival e representante da oposição, Svetlana Tijanóvskaya, teria obtido, segundo as pesquisas eleitorais, após eleições denunciadas como fraudulentas pela oposição , que apelou aos habitantes da capital para regressarem às assembleias de voto para “controlar a contagem dos votos”.

O presidente, no comando do país desde 1994 e considerado o último ditador da Europa, chegou às eleições deste domingo como o principal favorito para revalidar seu mandato em eleições sem a presença de grandes rivais, após a desqualificação ou prisão de alguns de seus principais oponentes.

Dois dos mais fortes rivais de Lukashenko foram presos antes das eleições e o terceiro candidato em potencial fugiu para a Rússia após receber um aviso de que ele também seria preso em breve, avisos para todos os oponentes em uma eleição que não terão a observação internacional da Organização para o Desenvolvimento e Cooperação na Europa (OSCE).

Alemanha, França e Polônia expressaram preocupação com a ausência do convite para a OSCE antes de apontar o que eles descreveram como “relatórios perturbadores de irregularidades eleitorais durante a votação antecipada”.

 A presidência da Comissão Eleitoral Central da Bielo-Rússia, Lidia Yermoshina , apelou aos candidatos que perderam as eleições a “saberem aceitar a derrota” e “não agitarem as massas”.

Pelas pesquisas, a terceira candidata, a ex-deputada Anna Kanopatskaya, teria somado 2,3%; Andrei Dmitriev, co-presidente do Movimento “Diga a verdade!”, 1,1%, e Sergey Cherechen, líder social-democrata, 0,9%.

  O dia da eleição foi marcado por grande afluência, com filas em muitas escolas. Na ausência de duas horas até o fechamento das escolas, segundo a Comissão Eleitoral Central, mais de 79% dos bielorrussos já haviam exercido seu direito de voto.

Svetlana Tijanóvskaya, a principal candidata da oposição , garantiu que “a maioria” dos cidadãos a apóia, afirmando que não acredita nas pesquisas oficiais que dão ao presidente a maioria das votações. “Acredito no que meus olhos veem e vejo que a maioria está conosco”, disse ele ao reagir à imprensa sobre as pesquisas oficiais.

Tijanóvskaya, que assumiu a liderança da oposição em maio após a prisão de seu marido, Sergei Tijanovsky , o blogueiro mais popular do país, conseguiu mobilizar centenas de milhares de pessoas em toda a Bielo-Rússia nas últimas semanas. (Continua).

 

 

O resultado final das eleições será anunciado na sexta-feira , de acordo com a autoridade eleitoral. Se o resultado for confirmado, o presidente pode permanecer no cargo até 2025, um caso inédito na história recente do continente.

 

 

  A crise no Líbano se aprofunda após as explosões em Beirute: o Ministro da Justiça renunciou e pediu que todo o gabinete a seguisse (Continua).

 

Marie Claude Najem é o terceiro membro do governo a sair desde os surtos que deixaram mais de 150 mortos no principal porto do país. Ele havia sofrido a ira do povo em público dois dias após a deflagração.

A Ministra da Justiça do Líbano, Marie Claude Najem, apresentou sua renúncia do cargo na Segunda-feira, elevando o Gabinete de Hasan Diab a três para renunciar desde a explosão de Terça-feira em Beirute e os protestos subsequentes contra os líderes do país. (Continua).

 

 

O chefe da Justiça entregou uma carta com sua renúncia formal na qual ela argumenta sua saída “do desastre que a pátria sofreu no coração de sua capital Beirute e da dor dos libaneses” , assim como “os conflitos nas ruas”. de acordo com o texto, divulgado pela mídia local.

“A profunda crise e a situação excepcional que o país vive fazem com que seja necessário recorrer à vontade do povo (..) e já havia sido lançada uma iniciativa para aprovar um projeto de lei que reduziria o mandato do atual Parlamento e convocaria eleições antecipadas”, disse o ministro.

Ele acrescentou que espera que todo o Executivo renuncie “coletivamente” e não um por um. (Continua).

 

 

Najem , que sofreu a indignação da população dois dias após a explosão e teve que sair de um lugar público vaiado e repreendido, é a terceira derrota do governo Diab desde a explosão que há uma semana causou 158 mortos e cerca de 6.000 feridos Beirute

Ontem o ministro da Informação, Manal Abdel Samad, e o ministro do Meio Ambiente, Damianos Kattar renunciaram.

A essas três renúncias soma-se uma quarta ocorrida na véspera da explosão , a de Nassif Hitti como Ministro das Relações Exteriores por divergências com as ações do governo ao afirmar que o país caminha para um “estado falido”. (Continua).

 

 

Já no final de junho, o diretor-geral do Ministério da Fazenda e integrante da equipe que negociou com o Fundo Monetário Internacional, Alain Befani , também anunciou sua renúncia, o que foi um duro golpe para o governo Diab.

Em um país já mergulhado em uma grave crise econômica , a explosão da semana passada gerou manifestações nos últimos dois dias, que só no sábado deixaram pelo menos um policial morto e centenas de feridos. Com informações da EFE , Infobae, AFP, Europa Press y EFE. Fotos: REUTERS / Mohamed Azakir , Dmitry Brushko/Tut.By via. Imagens e vídeos: Twitter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *