SAÚDE

Veja valor milionário que Cuba desviou dos médicos segundo relatório da OCAC; mufunfa foi parar em conta secreta no Panamá

 

O Observatório Cubano de Auditoria Social (OCAC), em seu relatório “Cuba: o saque da segurança sanitária pela GAESA”, acusou o conglomerado empresarial das Forças Armadas Cubanas de ter se protegido de pelo menos 69,8 milhões de dólares dos cuidados dos médicos da brigada, contribuições internacionais que nunca foram investidas no sistema nacional de saúde como o regime cubano havia sido anunciado.

Diante das primeiras acusações de trabalho escravo, o regime cubano alegou que os atrasos confiscados das brigadas médicas seriam reinvestidos no sistema público nacional de saúde. Mas isso nunca aconteceu. Conforme detalhado pela OCAC, as estatísticas anuais do Escritório Nacional de Estatística e Informação de Cuba refletem uma disparidade notável entre as receitas reconhecidas como contribuídas pelas brigadas e os montantes dos investimentos dedicados à saúde pública. O relatório confirma que, nos últimos 13 anos, foi investido 13 vezes mais na construção de novos hotéis do que no setor da saúde.

Segundo a denúncia, uma holding registrada como sociedade anônima no Panamá, mas controlada pelas Forças Armadas de Castro, utilizou o Banco Financeiro Internacional para uma manobra.

O desvio de fundos é ainda mais escandaloso se tivermos em conta a grave variação dos cuidados de saúde na ilha. Segundo dados oficiais, em Cuba, o número de hospitais diminuiu 32% entre 2007 e 2018. Todos os hospitais rurais fecharam a partir de 2011, as policlínicas 9%, enquanto todos os postos médicos rurais e urbanos fecharam a partir de 2010.

O país passou de um total de 312.406 funcionários como pessoal médico em 2021 para 281.098 em 2022. O pessoal de saúde diminuiu 31.308 a menos em apenas 12 meses, de 2021-2022. Esta categoria inclui técnicos superiores, médios e básicos, tecnólogos e outros licenciados em saúde.

A falta de medicamentos básicos duplicou este ano em relação a 2020. Dos 84 medicamentos faltantes em 2020, em 2023 o número chegou a 172. Um levantamento realizado em agosto de 2022 pelo site independente de informação e estatística Cubadata, mostrou que 46,7% dos entrevistados foram muito difíceis de conseguir medicamentos no país.

Durante o mês de setembro, os membros da OCAC visitaram farmácias em 15 províncias e no município especial de Isla de la Juventud. Foram coletadas informações sobre a falta de medicamentos que são emitidos por meio de cartão de controle (cartão) para se tratarem de medicamentos para doenças crônicas e de primeira prioridade. Em todas as províncias foi detectada falta de medicamentos como analgésicos, antibióticos, anti-hipertensivos, antiparasitários, anti-inflamatórios, ansiolíticos e antidepressivos.

Um tratamento mensal para doenças crônicas que só pode ser adquirido no mercado negro pode equivaler a mais de 200% da pensão mínima. Por exemplo, o Enapranil para hipertensão e a Amitriptilina para depressão podem custar até 3.600 CUP (US$ 150), o que representa 236% da pensão mínima de 1.528 CUP (US$ 64).

“A segurança sanitária tem hoje dois grupos: os que têm familiares na diáspora ou acesso a dólares, e os que dependem de rendimentos em moeda nacional. Os hospitais também cuidam de suprimentos e equipamentos básicos para diagnosticar e cuidar dos pacientes, bem como para manter a limpeza e a esterilidade das instalações. Os familiares são os responsáveis ​​pela obtenção dos insumos para qualquer procedimento no mercado negro”, reflete a OCAC.

Entre as recomendações do relatório, a OCAC exige que a GAESA (incluindo o Banco Financeiro Internacional sob o seu controle), o Ministério da Saúde Pública e as empresas responsáveis ​​pela exportação de serviços médicos, abram seus livros ao escrutínio fiscal e público e procedam imediatamente ao reembolso ao sistema de segurança sanitária de fundos saqueados entre 2009 e 2022.

Gazeta Brasil, via: https://terrabrasilnoticias.com/2023/12/desvendado-veja-valor-milionario-que-cuba-desviou-dos-medicos-segundo-relatorio-da-ocac

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *