SAÚDE

E AÊ, GOVERNADOR, VAI FORNECER AOS MUNICÍPIOS? E LINHARES? – Quatro cidades capixabas pedem cloroquina para tratamento de coronavírus

  * Na nossa opinião, o Governo do Estado possivelmente vai “lavar as mãos” no pedido dos municípios. Inimigo político do presidente – que só nos prejudica mais ainda – , acreditamos que jamais dará aos municípios o Kit Covid porque estaria concordando com Jair Bolsonaro que, desde o início, defende o seu uso do Kit.  17 dias antes do carnaval desse ano o Governo de Bolsonaro decretou Estado de Emergência sobre o Covid-19, alertando prefeitos e governadores para tomarem medidas urgentes através das secretarias municipais e estaduais de Saúde, além do Sistema Único de Saúde (SUS),  na tentativa de  conter o avanço da doença. Os carnavais não foram cancelados e milhões de turistas de todo o mundo vieram assintomáticos e transmitiram o vírus por todos os  cantos do País.  Para piorar ainda mais a nossa situação o STF – sempre ele – tirou do Presidente o Poder de intervir nos estados e municípios, sepultando aí, em muitos estados governados por políticos contrários a Bolsonaro, a chance de ter o medicamente. Temos de respeitar o nosso governador,  mas temos direito de cobrá-lo sem palavras ofensivas. Radar Geral faz um  apelo a todos os cristãos que oremos juntos para que ilumine a mente de Renato Casagrande para que Deus  dê-lhe sabedoria,  humildade e muitos anos de vida  para que forneça a todos os capixabas o kit covid que tem se mostrado eficaz se usado – no máximo – em até sete dias nos primeiros sintomas, conforme relato de dezenas de médicos e brasileiros que utlizaram o kit. Não queremos acreditar que, ao eleger Renato, o Capixaba votou no  governador errado para o momento mais dramático de nossa geração. Não há vacina, ainda. Vamos orar por Renato  Casagrande pois há dias o coloco em minhas orações. Junte-se a mim. (Continua).

 

 

A solicitação foi feita ao governo do Estado que, apesar de não adotar a medicação em casos leves da doença, não vai se opor aos municípios .

 Linhares, no Norte capixaba, conta agora com 26 óbitos. Hoje (23) mais duas pessoas faleceram vítimas do Covid-19, moradores de Povoação e do bairro a Aviso. 

Quatro municípios do Espírito Santo solicitaram do governo do Estado o envio de cloroquina e hidroxicloroquina para o tratamento de pacientes com a Covid-19. (Continua).

  De acordo com a Secretaria de Saúde do Estado (Sesa), os municípios de Cachoeiro de Itapemirim, Aracruz, Montanha e Mimoso do Sul farão o uso do medicamento, que ainda não teve sua eficácia de tratamento comprovada de forma científica.

 A recomendação não é seguida pelo governo do Estado, mas o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, garantiu que não vai se opor aos municípios que quiserem fazer o uso da cloroquina.

 “O Estado adota a opinião técnica e científica, subsidiando nossas decisões, que são descontaminadas da política e questões não científicas. No entanto, não vamos nos opor ou criticar qualquer município que queira adotar o protocolo adotado pelo Ministério da Saúde, e vamos colaborar na distribuição do medicamento”.

 Em entrevista coletiva na segunda-feira (22), o secretário de Saúde voltou a ressaltar que não existe evidência científica que apontem um desfecho diferenciado para pacientes graves ou leves que façam o uso do medicamento. (Continua).

 “Temos recebido muitos relatos de pacientes que fizeram o uso quando estavam com casos leves e que igualmente evoluíram na doença, inclusive indo a óbito. Não criem qualquer falsa expectativa de que a cloroquina vai modificar a evolução da doença”, afirmou o secretário.

 Desde a saída dos ministros da saúde Henrique Mandetta e Nelson Teich, o governo federal vem intensificando a produção da cloroquina, defendida pelo presidente Jair Bolsonaro.

O Ministério da Saúde também está fazendo contatos internacionais para trazer o princípio ativo da hidroxicloroquina ao País.

 A orientação do governo federal é para que o medicamento seja indicado para casos leves, moderados e graves. (Com informações de A Tribuna (ES).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *