Dengue chega a países do Hemisfério Norte e Europa, dizem estudos
SAÚDE

Dengue chega a países do Hemisfério Norte e Europa, dizem estudos

  

 

 

 

 

Primo do aedes aegypti, o aedes albopictus está espalhando dengue, zika e chikungunya por regiões de clima mais ameno e causa preocupação. (*Podem ter sido levados por aviões, caminhões, carros e navios e se adaptados, e nada a haver com aquecimento global, como querem afirmar. Pode.)

Este é um velho conhecido de quem vive em países tropicais: o aedes aegypti transmite dengue, zika e chikungunya. Agora, um primo dele, o aedes albopictus, que espalha as mesmas doenças, também virou motivo de preocupação em regiões de clima mais ameno.

  No ano passado, países como França, Itália e Espanha registraram 128 casos de dengue desse tipo. Há dez anos, foram apenas quatro – e só na França. São números pequenos se comparados aos do Brasil, que nas primeiras quatro semanas do ano já registrou mais de 243 mil casos – o triplo do ano passado no mesmo período.

O aumento de casos na Europa, nos Estados Unidos e até nos países de clima mais frio do hemisfério sul intriga os cientistas: como um mosquito que gosta de calor se adaptou tão bem em países de clima frio?

O virilogista William Marciel de Souza, professor da Universidade de Kentucky, nos Estados Unidos, diz que pode ter relação com o aquecimento global:

 “Regiões temperadas têm se tornado – tantos os verões, quantos os invernos – um pouco mais quente. Devido a essas mudanças climáticas, é muito possível que os mosquitos sobrevivam melhor, e faz com que tenha transmissões autóctones, como ocorre hoje, tanto na França quanto Espanha e Itália; bem como aqui no sul das Américas, como no Uruguai e na Argentina“.

“A epidemia de dengue está aumentando e, nesta área, ficarão os pacientes que precisarem de internação”, diz médico paraguaio. “Quando a gente fala de população que nunca foi exposta a uma doença, a tendência é que um maior número de pessoas sejam infectadas. Porque elas nunca foram expostas e elas podem desenvolver formas relativamente graves, principalmente porque pode acometer um maior número de pessoas”, explica William Marciel de Souza. Quem pesquisa mosquitos explica que a temperatura tem mesmo influência direta no ciclo de desenvolvimento deles.

 Com os termômetros a 25ºC, um ovo leva, em média, duas semanas para se transformar em mosquitos adultos. Testes feitos em laboratório mostram que esse tempo cai pela metade quando os termômetros sobem para 28ºC – o que aumenta e muito a quantidade de mosquitos em circulação e as picadas. A bióloga Tamara Lima Câmara explica que, aqui no Brasil, a situação tem sido agravada pelo forte calor e as chuvas de verão, que formam poças d’água – um ambiente perfeito para o aedes aegypti se reproduzir.

 “O aumento da temperatura favorece a proliferação dos mosquitos. Quanto maior a proliferação de mosquito, maior a quantidade de mosquito, maior é a chance de transmissão de doenças associadas a eles”, afirma a professora da Faculdade de Saúde Pública da USP. Fonte: https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2024/02/02/aquecimento-global-leva-a-dengue-a-paises-do-hemisferio-norte-e-europa-dizem-estudos.ghtml

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *