SAÚDE

ALERTA – O New York Times alerta sobre o novo pico global do coronavírus e identifica Uruguai e Argentina como os casos mais preocupantes; será que os governos da Argentina e Uruguai são genocidas? Claro que não ! não acontece nenhum genocídio em governos por causa do vírus, é apenas narrativa da esquerda visando desgastar os presidentes

A primeira página do jornal norte-americano indica a América do Sul como o principal foco de divulgação. Em seguida, adicione Índia, Turquia e Suécia. (Continua).

 

 

 Os últimos sete dias se tornaram dramáticos para a disseminação de COVID-19 e O New York Tiems alerta para a emergência com um mapa eloqüente: em marrom, quase preto, os países com mais infecções por 100 mil habitantes por semana.

O jornal alerta que a média diária de casos novos no mundo tem ficado acima de 800 mil nos últimos sete dias e Conforme o mundo olha para a Índia, a América do Sul tem a maior taxa de infecção.

O país com os piores números é Uruguai, que atualmente tem o maior número de casos per capita do mundo, está adicionando quase 3.000 casos por dia, um número impressionante em um país de apenas 3,5 milhões de pessoas. O mapa mostra que na última semana o Uruguai registrou uma média de 84 infecções por 100.000 habitantes.

 

MORTES PER CÁPITA NO MUNDO (Continua). 

   

 A Argentina segue com uma média diária de 22.763 novos casos, uma média semanal de 51 infecções por 100.000 habitantes.

Vários fatores se combinaram para alimentar o surto na América do Sul. No Brasil, o maior país do continente, a atitude de desprezo do presidente Jair Bolsonaro em relação à ameaça representada pelo vírus levou a uma crise de um mês que se espalhou para as nações vizinhas. E as primeiras pesquisas indicaram que a variante P.1, identificada pela primeira vez na cidade brasileira de Manaus no final do ano passado, pode ser mais transmissível e mais mortal do que as formas anteriores do vírus.

A segunda maior cidade da Colômbia, Medellín, também está entre os lugares onde ocorrem graves surtos. No ano passado, as autoridades conseguiram controlar o vírus em grande medida. Mas uma segunda e terceira ondas, em janeiro e abril, devastaram a cidade. Embora as autoridades tenham adicionado 1.000 novas unidades de terapia intensiva na região em 2020, essa preparação não foi suficiente.

A história de capa Também alerta para a situação em outros países do mundo que, embora sua taxa de contágio por 100.000 habitantes seja inferior à do Uruguai e da Argentina, também apresentam taxas alarmantes: Suécia e Turquia, com 49 infecções por 100.000 habitantes cada.

A Índia , hoje o país com maior atenção da mídia pelas trágicas imagens do colapso da saúde, também está no mapa, com uma taxa de 26 infecções por 100 mil habitantes nos últimos sete dias. Embora não apareça no mapa como um dos casos mais preocupantes, o NYT explica que a Índia também está liderando esse novo pico global. Ele detalha que lá, a média móvel de sete dias de novos casos diários no país ultrapassou 357 mil na última quinta-feira, o que representa um aumento de mais de cinco vezes desde 1º de abril. E revela que o país já responde por mais de 40% dos novos casos mundiais. O mais preocupante, alerta o artigo, é que Esses números sombrios podem ser subestimados.

A segunda onda do vírus foi devastadora. Nos hospitais da capital, Nova Délhi, a escassez de oxigênio medicinal atingiu níveis de crise e os locais de cremação estão funcionando sem parar, enquanto familiares e amigos continuam trazendo mais corpos para queimar. Depois de decretar um dos fechamentos mais rígidos do mundo em março passado, que manteve o número de mortes relativamente baixo, as autoridades indianas relaxaram as restrições. Alguns políticos até realizaram comícios massivos nas últimas semanas, enquanto a taxa de infecção do país disparava. O aumento deixou os hospitais sobrecarregados.

“As pessoas estão com raiva porque não estão recebendo respiradores ou oxigênio”, disse o Dr. Rakesh Kumar, médico do estado de Uttar Pradesh, no norte da Índia. “Eles dizem: ‘Estamos pagando pelas instalações; Então, por que nossos pacientes morrem? Os profissionais médicos na Índia enfrentam uma situação esmagadora. “Nenhum hospital foi fechado e nenhum médico se retirou da frente”, escreveu um médico em um post no Facebook. “Estamos lutando contra os mísseis com varas, mas não vamos deixar o forte.”. Fonte: Infobae. Fotos:  New York Times.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *