Religião

MISSIONÁRIA EXECUTADA – Missionária cristã suíça é executada por terroristas muçulmanos no Mali após 4 anos em cativeiro; Cristofobia aumenta em todo o mundo

 Uma missionária cristã da Suíça, que foi sequestrada por terroristas muçulmanos no Mali e estava em cativeiro desde janeiro de 2016, foi assassinada por seus sequestradores há cerca de um mês, de acordo com uma outra colega também cativa.

Beatrice Stockli, de 59 anos, foi baleada e morta depois de se recusar a se mudar com seus sequestradores no Saara. A companheira cativa de 75 anos, a francesa Sophie Pétronin, que foi libertada no início deste mês, deu os detalhes sobre a morte de Stockli às autoridades francesas, que repassaram as informações aos funcionários do governo suíço.

Pétronin disse às autoridades que os terroristas muçulmanos mudavam seu acampamento regularmente para impedir que soldados franceses e malineses os encontrassem. Pétronin disse que depois que Stockli se recusou a se mover, os extremistas a arrastaram para fora e, em seguida, um tiro foi ouvido, de acordo com o EN24 News.

“Foi com grande tristeza que soube da morte de nossa concidadã. Condeno este ato cruel e expresso minha mais profunda condolência aos parentes”, disse o Conselheiro Federal da Suíça, Ignazio Cassis, em comunicado publicado no site do Departamento Federal de Relações Exteriores da Suíça (FDFA).

O governo suíço relatou que as circunstâncias exatas da morte de Stockli permanecem obscuras. Eles haviam pressionado continuamente o governo do Mali nos últimos quatro anos para a libertação da missionária.

As autoridades suíças, sob a direção do FDFA, estão tentando descobrir mais sobre as circunstâncias por trás do assassinato de Stockli e o paradeiro de seus restos mortais, de acordo com um comunicado publicado no site da agência.

“A Suíça fará todos os esforços para preservar os restos mortais da refém suíça. Para este fim, o FDFA também abordará o governo de transição no Mali”, disse a agência.

O World Watch Monitor relatou que Stockli se estabeleceu em Timbuktu em 2000, trabalhando para uma igreja suíça, e depois começou a trabalhar independentemente, não mais afiliada a uma igreja.

Um líder de uma igreja do Mali disse ao World Watch Monitor que Stockli levava uma vida austera em Abaradjou, um bairro popular de Timbuktu que era conhecido por ser frequentado por grupos jihadistas armados. A missionária era descrita como sociável, principalmente entre mulheres e crianças, e costumava vender flores e distribuir material cristão.

Stockli foi levada de sua casa em 8 de janeiro de 2016 por homens armados em quatro veículos. Mais tarde naquele mês, um terrorista mascarado com sotaque britânico assumiu a responsabilidade pelo sequestro de Stockli em nome da Al-Qaeda no Magrebe Islâmico (AQIM).

“Beatrice Stockli é uma ‘freira suíça’ [ela era evangélica] que declarou guerra ao Islã em sua tentativa de cristianizar os muçulmanos”, disse o terrorista em um vídeo.

Perseguição aos cristãos no Mali

Os cristãos são uma minoria no Mali. Desde 2012, grupos islâmicos radicais assumiram o controle da parte norte do país, proibindo a prática de outras religiões, profanando e saqueando e incendiando igrejas e outros locais de culto, de acordo com o World Watch Monitor.

Os cristãos da região foram forçados a fugir e este deslocamento de cristãos ainda afeta aqueles que perderam suas casas e cujas igrejas foram destruídas. Embora alguns cristãos e congregações tenham retornado ao norte sob proteção policial, eles ainda vivem sob a ameaça de ataques de radicais. As atividades evangelísticas no norte são especialmente arriscadas e podem levar a ataques de muçulmanos radicais.

 

 Os missionários cristãos que operam no Mali também vivem sob constante ameaça de sequestro e alguns realmente foram sequestrados por jihadistas, como os casos de Stockli e Pétronin. Cristãos ex-muçulmanos também estão à mercê da violência e da pressão de seus familiares caso sua conversão seja descoberta. A região norte do país também é insegura para as ONGs que lá operam.

Mali é o 29º na lista de 2020 de países onde é mais perigoso ser cristão, que é elaborada anualmente pela organização Portas Abertas .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *