Polícia

REVIRAVOLTA – Duas parentes presas acusadas pela morte covarde de agricultora feirante em Vargem Alta

O assassinato da agricultora de Vargem Alta Thamires Lorençoni não é tratado mais como latrocínio (roubo com morte) pela polícia.

 A principal suspeita é que o crime foi encomendado pela madrasta do marido de Thamires, Sula Almeida, e pela filha dela, Flávia Almeida (Foto em anexo). As duas foram presas após a polícia cumprir um mandado de prisão na última quinta-feira (5). A motivação ainda está sendo investigada.

 Inicialmente, a morte de Thamires foi divulgada pela polícia como um latrocínio. A vítima e o marido estavam em um caminhão na estrada que dá acesso a Santana, zona rural de Vargem Alta, quando foram abordados por dois homens em um carro, no último sábado (30). (Continua).

  Os criminosos chegaram a anunciar um assalto, Thamires tentou fugir e foi atingida por tiros na cabeça e nas costas. Ela foi socorrida para um hospital da região, mas morreu.

 O caso, porém, teve uma reviravolta na última quinta-feira. A Polícia Civil de Vargem Alta prendeu Sula Almeida e a filha dela, Flávia Almeida, como principais suspeitas de encomendar o crime. De acordo com familiares, Sula é madrasta do marido de Thamires, que estava com ela na hora do crime. (Continua).

Sula e Flávia foram encaminhadas para o Centro Prisional Feminino de Cachoeiro de Itapemirim. Os suspeitos de atirarem contra Thamires ainda não foram localizados.

 A reportagem tentou contato com o delegado responsável pelo caso. Até a publicação desta reportagem, ele não havia atendido o telefone. Na sexta-feira, ele informou à reportagem, por telefone, que o caso ainda não foi concluído. (Continua).

Thamires era casada e tinha três filhos. A missa de sétimo dia aconteceu neste sábado, na Igreja Católica da comunidade de Vila Maria, em Vargem Alta. De acordo com familiares, o crime abalou todo o município. Com informações de A Gazeta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *