Polícia

ACUSADO É PRESO – pela morte da agricultora e feirante Thamires Lorençoni Mendes; o assassino estava foragido há sete meses

  Depois de sete meses foragido, o  homem acusado de  executar a agricultora Thamires Lorençoni Mendes, aos 26 anos, em Vargem Alta , na Região Serrana, foi preso em Cachoeiro de Itapemirim; ontem  (27). Ele estava escondido na casa de uma mulher no bairro Alto Independência.

Wilson Roberto Barcelos Gomes, vulgo Negão Chaquila, 36 anos, é acusado de matar com três tiros a agricultora, quando ela seguia ao lado do marido em um caminhão, na rodovia ES-164.

A madrasta do marido de Thamires e a filha já haviam sido presas como mandantes.

Além de Wilson, que tinha mandado de prisão em aberto pela morte de Thamires, foi preso seu irmão, Adilson Barcelos Gomes. Adilson também possui mandado de prisão, mas a polícia não divulgou por qual crime.

De acordo com a Polícia Militar, as prisões ocorreram após uma abordagem feita a um casal de moto, na avenida Bernardo Horta, bairro Guandu, região central de Cachoeiro.

 

  O condutor da motocicleta deu nome falso aos policiais, mas os PMs conseguiram descobrir seu nome verdadeiro, Adilson Barcelos e viram que contra ele havia mandado de prisão.

Os policiais também constataram que ele era irmão do acusado de matar Thamires. Na ocorrência consta ainda que os PMs descobriram que esse homem estaria na casa da mulher da garupa da moto.

Diante das informações, os PMs foram até a casa da mulher e encontraram Wilson. Ele e seu irmão foram conduzidos ao plantão da 7ª Delegacia Regional de Cachoeiro de Itapemirim e depois levados para o Centro de Detenção Provisória (CDP) do município.

A polícia não deu informações sobre o paradeiro do comparsa de Wilson na execução da agricultora.

  Simularam assalto

A agricultora Thamires Lorençoni Mendes foi morta no dia 30 de novembro do ano passado, às 14h30, quando retornava da feira com o marido. Na ocasião, o acusado, juntamente com o comparsa, tentou simular um assalto.

Thamires e o marido seguiam para casa pós os dois passarem o dia trabalhando em uma feira de frutas e verduras em Mimoso do Sul.

O caminhão foi fechado por um saveiro na altura da localidade de Gávea, no trevo que dá acesso à Santana. Informações no dia eram de que dois bandidos anunciaram o assalto e que a mulher teria se assustado e tentado correr, e que por isso acabou baleada.

 Thamires foi atingida na cabeça, peito e nas costas. O marido não foi atingido. Ela foi socorrida e encaminhada para o Hospital Padre Olívio, mas acabou morrendo.

 No entanto, imagem de uma câmera de vídeo-monitoramento demonstrou que a agricultora nem teve tempo de tentar fugir. Um dos bandidos, logo após descer do saveiro, correu direto para o lado do banco do carona.

No vídeo não é possível ver os disparos, mas dá para perceber os bandidos fugindo de carro e logo em seguida o motorista descendo, correndo, para pedir ajuda.

A madrasta do marido de Thamires, a comerciante Sulamita Almeida, a Sula, e sua filha, Flávia Almeida Silva, 18,  (Foto de capa) irmã de criação do rapaz, foram presas no dia 5 de dezembro.

Elas são acusadas pela polícia de terem pago R$ 3 mil pela morte de Thamires. As investigações apontaram que mãe e filha não gostavam de Thamires e que Flávia teria tido relação amorosa com ele no passado. Fonte: Com informações de A Tribuna ES.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *