REVOGADA PRISÃO DEPASTORA JULIANA SALLES RADARGERAL.COM FOTO GOOGLE
Polícia

Justiça revoga prisão da ex-pastora Juliana Sales no ES

Pedido, apresentado pela defesa, foi aceito pelo juiz André Buijus Dadalto.

A ex-pastora Juliana Sales, mãe dos meninos Kauã e Joaquim, de 6 e 3 anos, mortos em um incêndio no quarto deles em Linhares, pode ser solta a qualquer momento. A pedido da defesa, a Justiça revogou a prisão preventiva da ex-pastora, que pode receber liberdade a qualquer momento.

Os dois respondem pelos crimes de estupro e assassinato das crianças. Juliana Sales está presa desde o dia 20 de junho, quando foi detida em Teófilo Otoni, em Minas Gerais. Segundo a advogada Milena Freire, o pedido apresentado pedia a revogação da prisão de Juliana Sales e do marido, o ex-pastor Georgeval Alves. Apenas o pedido de Juliana foi acatado. “Nós pedimos a revogação da prisão por excesso de prazo, mas somente o dela foi aceito. Agora, vamos entrar com um pedido de habeas corpus do Georgeval”, informou Milena. Ainda segundo a defesa, não há previsão de soltura da ex-pastora, bem como o local que ela irá após ser liberada do presídio.

SAIBA MAIS – A ex-pastora Juliana Sales responde pelo estupro e assassinato dos filhos Kauã Sales, de 6 anos, e Joaquim Alves, de 3 anos. Ela foi presa na madrugada do dia 20 de junho, em Teófilo Otoni, Minas Gerais.

O Ministério Público do Espírito Santo (MPES) entendeu que Juliana sabia dos riscos de deixar as crianças sozinhas com o marido, o ex-pastor George Alves, e apresentou denúncia contra os dois. Ela estava viajando no dia em que as crianças morreram em um incêndio em Linhares, em abril, mesmo assim, vai responder por dois homicídios, dois estupros de vulnerável e também por fraude processual. Segundo o MP, a pastora teria alterado a cena do crime.

A denúncia contra Juliana e George já foi aceita pela Justiça no dia 18 de junho e os dois são considerados réus no processo.

George responde por dois homicídios qualificados, dois estupros de vulneráveis, dois crimes de tortura fraude processual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *