Geral

VÍDEO E FOTOS – Pare com as analogias de Hitler. Hitler era vegetariano, então, o vegetarianismo é ruim? Alemanha Nazista era contra o fumo. Você é contra o fumo? Você, então, é um nazista? Veja, em vídeo, o que aconteceu num circo com um jovem e uma jibóia – cenas fortes

 Por: José Azel é um estudioso e autor. O último livro do Dr. Azel é “Reflexões sobre a liberdade”. Continua).

 “* NOTA DE RADAR GERAL – As pessoas que não são da Luz do amor, ou seja, da Luz Negra, das Trevas, associam o atual governo do Brasil a “Genocídio”, “Fascismo” e “Nazismo” para te confundir, enganar e te fazer de trouxa, por pura ignorância histórica, intelectual ou maldade mesmo .

 Veja no final, o que é fascismo e Nazismo, em fotos, para ver se acontecesse isso no nosso País e a acusação merece credibilidade. Na verdade, é uma injustiça com Messias Bolsonaro. Você viu  que os do Mau fazem de tudo para atrapalhar o tratamento de hidroxicloroquina associadas a outros medicamentos  que, conforme relatos de centenas de médicos e pacientes, se usados em até 7 dias salvam vidas?

 E que Bolsonaro está certo desde o início? E que os do Mau fizeram e fazem de tudo para atrapalhar, esconder e sumir medicamentos , conforme denúncias aos montes ?  Que no Amazonas, conforme denúncia, usaram “doses cavalares” em 12 pacientes que morreram só para o Mau mostrar que o medicamento não prestava?”. Vamos orar meu povo. E Não aceitem e se recusem a ler “O Novo Normal”, uma neurolínguística  para você se acostumar com a Nova Ordem Mundial, que quer te escravizar, igual acontece já na China .

 Mas a Aliança da Terra (Estude, pesquise sobre isso), vai derrubar isso tudo e a Luz Branca vencerá. Ou você está com Trump, Messias Bolonaro e o presidente da Polônia,e poucos outros que restaram , ou o comunismo vai vencer e nos escravizar para sempre com o apoio da esquerda brasileira e da maioria da grande mídia. Você quem escolhe. Fica aí “bozeando” nas redes sociais igual a um trouxa e verá o que deixará para seus filhos, netos e bisnetos, conforme mostra a história onde passou essa treva da Bandeira Vermelha . Vamos orar pelo nosso País, nosso presidente pois as  Forças Negras e quem os apoiam não podem vencer.

 

Redução a Hitler é uma acusação preguiçosa e sem imaginação que pretende reduzir um oponente a um nazista por associação

 

Reductio ad Hitlerum banaliza o verdadeiro mal puro do Holocausto. (Foto: Flickr)

Reductio ad Hitlerum, para redução a Hitler, é um termo cunhado em 1951 pelo professor Leo Strauss da Universidade de Chicago (1899-1973). Com Reductio ad Hitlerum, o professor Strauss procurou mostrar que jogar a carta nazista é uma tentativa de invalidar a posição de alguém com base no mesmo ponto de vista de Adolf Hitler ou do Partido Nazista.

 Por exemplo, a Alemanha nazista era contra o fumo; você também é, portanto você é um nazista. Ou, Hitler era vegetariano, então o vegetarianismo é ruim. Essencialmente, Reductio ad Hitlerum é uma técnica para minar o debate acusando o oponente de ser nazista. (Continua).

 

 Segundo Strauss, uma visão não é refutada pelo fato de ter sido compartilhada por Hitler, e Reductio ad Hitlerum propõe uma lógica de culpa por associação. Se uma política é semelhante à preconizada por Hitler, isso prova que a política é indesejável. A Reductio ad Hitlerum também assume a forma de contestar deliberadamente certas idéias, implicando que Hitler possuía idéias semelhantes. O comentarista Glen Beck é frequentemente criticado por usar Reductio ad Hitlerum, por exemplo, comparando a Fundação Nacional para as Artes do governo dos EUA ao Ministério da Propaganda de Hitler, sob Joseph Goebbels.

Às vezes, os dois lados de um argumento acusam-se irrelevamente de comportamento semelhante a Hitler. Defensores pró-armas da Segunda Emenda apontam como Hitler, o ditador, realizou confisco em massa de armas de fogo privadas; enquanto os defensores do controle de armas acusam seus adversários pró-armas de comportamento semelhante a Hitler, desejando desregular a posse de armas. Acontece que, quando Hitler assumiu o poder, a posse de armas alemã foi restringida sob as disposições de controle de armas impostas pelo Decreto de Versalhes de 1919, e Hitler desregulamentou a aquisição e a transferência de armas longas, bem como de munição. A Alemanha foi oficialmente desarmada sob a ocupação aliada no final da Segunda Guerra Mundial. (Continua).

 

Existe até uma regra para o uso das analogias de Hitler. A Lei de Godwin – promulgada pelo advogado e escritor americano Mike Godwin – é um ditado na Internet que afirma que: “À medida que a discussão on-line cresce, a probabilidade de uma comparação envolvendo Hitler se aproxima de 100%”. Em outras palavras, independentemente do tópico, se uma discussão durar o suficiente, alguém comparará outra pessoa ou outra coisa ao comportamento semelhante a Hitler. (Continua).

 

Godwin introduziu esse princípio como uma ferramenta memética na esperança de reduzir a incidência de comparações hiperbólicas inadequadas a Hitler. Uma tradição agora se desenvolveu, em grupos de notícias e outros fóruns de discussão que, quando uma comparação de Hitler é feita, a discussão termina e quem fez a comparação perde o debate – ótima idéia.

Tanto o presidente Trump quanto o presidente Obama foram vítimas das acusações de Reductio ad Hitlerum . Os usuários pretendem suas acusações como um substituto do mal puro. Mas o problema com as acusações de Reductio ad Hitlerum nos debates políticos e em outros debates cotidianos é que trivializa o verdadeiro mal puro do Holocausto. Como tal, as acusações de Reductio ad Hitlerum são ofensivas à comunidade judaica e àquelas que sofreram as consequências da ideologia nazista. (Continua).

 

A ideologia nazista reuniu elementos de anti-semitismo, higiene racial e eugenia. Combinou esses conceitos repugnantes com pan-germanismo e expansionismo territorial. Redução a Hitler é uma acusação preguiçosa e sem imaginação. Não é intelectualmente aceitável demonizar oponentes políticos por diferenças políticas irrelevantes, associando-os aos horrores do Holocausto. (Continua).

 

Eu visitei os campos de concentração e extermínio em Auschwitz e Brzezinka, onde pelo menos 1,1 milhão de pessoas morreram, 90% delas judias. Andei em um silêncio sombrio entre as exposições e o quartel, lembrando a brutalidade nazista exposta apaixonadamente nos relatos em primeira pessoa de sobreviventes de Auschwitz, como Elie Wiesel e Viktor Frankl. E, acho aterrador que devemos optar por criticar as opiniões políticas de alguém com referência às atrocidades de Auschwitz.

Durante a Segunda Guerra Mundial, os Aliados não reagiram aos primeiros relatos da barbárie ocorrida em Auschwitz. É irônico que, mais uma vez, rejeitemos retoricamente a barbárie nazista com nosso uso frívolo de analogias nazistas. É hora de retirar a Redução para Hitler de nossos discursos e escritos. Fonte: Panam Post.  (Continua).

 

 

 

CONTINUA – Médica e senadora e atual presidente da Bolivia descobriu que apenas 30% dos médicos cubanos eram mesmo médicos, segundo as redes sociais.

 

 

Homem faz apresentação com cobra. Veja o que aconteceu, cenas fortes.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *