Mais de 30 famílias da Vila dos Pecadores, no Rio Pequeno, em Linhares, no Norte Capixaba, impactadas pela lama da Samarco, terminam hoje (21) de sair de seus imóveis conforme acordado com a justiça e a Fundação Renova. Outras 18 famílias já deixaram a Vila, encaminhadas para imóveis alugados pela fundação ou em casa de parentes.
Geral

Moradores da Vila dos Pescadores terminam de sair hoje (21) em Linhares; sensação de revolta e humilhação

Os moradores só concordaram em sair do local depois de que obtivessem uma série de  garantias, como o  de retorno a seus lares, indenização aos comerciantes, reparação financeira por danos morais por constantes constrangimentos, estresse e degradação humana.

DA REDAÇÃO

Mais de 30 famílias da Vila dos Pecadores, no Rio Pequeno, em Linhares, no Norte Capixaba, impactadas pela lama da Samarco, terminam hoje (21) de sair de seus imóveis conforme acordado entre moradores, a justiça e a Fundação Renova. Outras 18 famílias já deixaram a Vila, encaminhadas para imóveis alugados pela fundação ou em casa de parentes.
Mudança na Beira Rio Hoje

Mais de 30 famílias da Vila dos Pecadores, no Rio Pequeno, em Linhares, no Norte Capixaba, impactadas pela lama da Samarco, terminam hoje (21) de sair de seus imóveis conforme acordado entre moradores, a justiça e a Fundação Renova. Outras 18 famílias já deixaram a Vila, encaminhadas para imóveis alugados pela fundação ou em casa de parentes.

A preocupação é que a represa feita pela Renova no Rio Pequeno para impedir que a lama da Samarco no Rio Doce atinja a Lagoa Juparanã, possa se romper e colocar em risco a vida dos impactados. Amanhã (22) começa a abertura da barragem e deve durar pelos próximos oito dias para que o nível da lagoa volte ao normal. Durante esse período, é proibido circular no local e acesso só com autorização expressa da Renova e com acompanhamento de um profissional da fundação  para cumprir o protocolo de segurança. Para se ter uma ideia da gravidade da situação, durante a abertura do canal o escoamento era de cerca de 30 mil litros por segundo quando, somente o Rio São José, principal abastecer da Juparanã, lança pelo menos 90 mil litros por segundo. Com isso, explicou um engenheiro da Renova, sobram 60 mil litros que só vão enchendo a Juparanã cada vez mais. A situação só é mais trave ainda, explicou ele, “porque o tempo ainda está colaborando.

Quase que a totalidade dos moradores que estão ainda no local estão sendo levados provisoriamente hoje para hotéis de Linhares pelo período de oito dias até que a Renova consiga locar imóveis para abrigar a todos.  Serão cerca de seis meses que os moradores ficarão fora de seus lares. Animais como cães, gatos e galinhas estão sendo encaminhados a uma clínica veterinária de Linhares. Somente de cães, foram mais de 70 deles. Nesse período, os animais receberão toda a assistência veterinária aos cuidados da Renova.

OLHO GORDO –  A Renova enfrenta enormes dificuldades em locar imóveis em Linhares, apesar da grande oferta de residências vazias na cidade. É que, segundo apurou a reportagem, nas casas  escolhidas pelos moradores os preços do aluguel quase que quadriplicaram numa verdadeira exploração e falta de solidariedade com os moradores da Vila dos Pescadores. Outro motivo, que revoltou e indignou os moradores é que alguns proprietários de imóveis se recusaram a locar depois que souberam que era para os impactados do Beira Rio, como também é conhecido o local. Conforme apurou Radar Geral, chegou ao ponto de um imóvel apontado pela Renova e aprovado pelo morador, ser recusado porque o proprietário “alegou que só alugava para médico e de pessoas de outro nível”. Outro locatário disse que “na Vila só tem bandido, e não alugaria”. Conforme ainda apurou Radar Geral, os moradores da Vila dos Pescadores é composta por pessoas de todas as classes sociais, são todo trabalhadores no comércio local, pequenos comerciantes e a maioria sobrevive mesmo da pesca no Rio Doce.

ACORDO – Pelo menos seis reuniões foram feitas entre os moradores e a Renova, e outras dez entre os moradores. Na última reunião ocorrida ontem, no Nice Avanza, contou as presenças de uma Força Tarefa composta pelo Ministério Público Estadual (MPE), Ministério Público Federal (MPF), Defensoria Pública, moradores e Renova. Os moradores só concordaram em sair do local depois de que obtivessem uma série de  garantias, como o  de retorno a seus lares, indenização aos comerciantes, reparação financeira por danos morais por constantes constrangimentos, estresse e degradação humana.  (Mais fotos abaixo).

SAIBA MAIS – Ao contrário do que se possa pensar, a Vila dos Pescadores não foi invadida. Muito ao contrário, é um local histórico e os moradores estão no local desde o ano de 1800. Foi na Vila dos Pescadores que o Imperador D. Pedro II desembarcou  quando esteve visitando a região em 1860. imperador veio  a Linhares em fevereiro, chegando de canoa pelo Rio Doce. O nobre visitou a Lagoa Juparanã, escolas e lideranças do município, quando o local estava perto de completar 30 anos de emancipação. A estadia do português no município linharense foi por cerca de quatro dias que fez  ilustrações feitas pelo próprio Dom Pedro. Circulando pela localidade a cavalo, o imperador foi embora de Linhares, depois de se deslocar de canoa novamente até outra parte do Rio Doce, próximo a Regência, e seguir viagem em um barco a vapor. Dom Pedro II ficou durante os 15 dias – de 26 de janeiro e 9 de fevereiro de 1860 -, no Espírito Santo, chegando às terras capixabas de navio, desembarcando no Porto de Vitória e percorrendo partes do Estado a cavalo.

 

Mais de 30 famílias da Vila dos Pecadores, no Rio Pequeno, em Linhares, no Norte Capixaba, impactadas pela lama da Samarco, terminam hoje (21) de sair de seus imóveis conforme acordado entre moradores, a justiça e a Fundação Renova. Outras 18 famílias já deixaram a Vila, encaminhadas para imóveis alugados pela fundação ou em casa de parentes.
Casa vistoriada

 

 

A preocupação é que a represa feita pela Renova no Rio Pequeno para impedir que a lama da Samarco no Rio Doce atinja a Lagoa Juparanã, possa se romper e colocar em risco a vida dos impactados.
Obra no Rio Pequeno

 

 

 

 

 

 

A preocupação é que a represa feita pela Renova no Rio Pequeno para impedir que a lama da Samarco no Rio Doce atinja a Lagoa Juparanã, possa se romper e colocar em risco a vida dos impactados.
Dona Santinha, uma das impactadas e moradora das mais antigas da Vila dos Pescadores

 

A preocupação é que a represa feita pela Renova no Rio Pequeno para impedir que a lama da Samarco no Rio Doce atinja a Lagoa Juparanã, possa se romper e colocar em risco a vida dos impactados.
Impactado

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dobre seu capital em 30 Dias!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *