Geral

ATÉ QUE ENFIM – ES aprova tratamento preventivo com “Kit Covid” para ser usado antes dos sintomas e polícia da Coréia do Sul encontrou cápsulas com carne humana

 

 Proposta que dá aos médicos segurança jurídica para prescrever também a ivermectina ganhou apoio de todos os deputados da Casa.

A autorização para o uso da cloroquina, da hidroxicloroquina, azitromicina e ivermectina, o chamado “Kit Covid”,  no Estado para o tratamento da Covid-19 foi aprovada por unanimidade, ontem, pelos deputados em sessão virtual da Assembleia Legislativa.

 O projeto inclui o uso dos medicamentos no protocolo de utilização precoce, ou seja, eles serão destinados a pacientes com diagnóstico clínico da doença, mesmo sem a comprovação por exame, que sai posteriormente. (Continua).

 

 Cápsulas com pó de carne humana foram encontradas na Coréia do Sul. Imaginam de onde vieram?

  • A matéria foi publicada pelo Uol em 08/05/2012 – Para não ficar no esquecimento e mostrar a que ponto chegou a raça humana. Isso pode ser só a ponta do iceberg.  No mundo somem milhares de crianças e jovens anualmente que nunca mais são vistos.

A polícia da Coreia do Sul divulgou nesta terça-feira (8) imagens de cápsulas produzidas com pó de carne humana apreendidas pela alfândega do país. As cápsulas, que segundo as autoridades policiais, são contrabandeadas da China, seriam produzidas a partir de bebês mortos.

 Segundo a alfândega sul-coreana, as cápsulas foram feitas no nordeste da China a partir de bebês cujos corpos foram cortados em pedaços pequenos e secos em estufas antes de virar pó. As autoridades, porém, não informaram o local exato de origem das cápsulas nem quem as produziu. Segundo a agência de notícias Associated Press, isso ocorreu para evitar problemas diplomáticos com a China. As cápsulas de carne humana continham bactérias.

 Introduzir estes comprimidos no país viola a lei que proíbe produtos que “ferem a dignidade humana e os valores”, declarou à AFP Kim Soo-Yeon, um funcionário da alfândega.

 No ano passado, oficiais chineses iniciaram uma investigação sobre a produção de cápsulas com carne de bebês recém-nascidos e fetos, após uma denúncia feita pela TV sul-coreana SBS que acusou empresas farmacêuticas da China de colaborarem com clínicas de aborto para produzir o material.

 Desde agosto de 2011, a alfândega sul-coreana descobriu 35 tentativas de contrabando de mais de 17.450 cápsulas desse tipo disfarçadas de outros medicamentos. A maioria chega escondida em enchimentos falsos de bagagens e bolsas apreendidas em aeroportos.

 Chineses de etnia coreana, que moram na Coreia do Sul, são apontados por um funcionário da alfândega como responsáveis pelas tentativas de entrar com essas cápsulas no país.

 Ainda segundo esse funcionário, todas as cápsulas encontradas nesta segunda (7) foram apreendidas, porém ninguém foi preso porque as quantidades eram pequenas e se destinavam ao consumo próprio, e não à comercialização.

 Ainda segundo a polícia da Coreia do Sul, as cápsulas costumam chegar de cidades ao norte da China, como Yanji, Jilin, Qingdao e Tianjin.

 Além do aspecto ético, a Alfândega alerta para o perigo de bactérias e outros organismos prejudiciais que podem estar presentes nestas pílulas, que de acordo com o jornal Chosun Ilbo, são vendidas entre 40.000 e 50.000 wons cada (de 27 a 34 euros).

 Ao ser notificado da nova apreensão, Deng Haihua, porta-voz do ministro da Saúde chinês, disse à agência de notícias chinesa que o país vai reabrir as investigações para apurar a

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *